terça-feira, 29 de abril de 2014

Pelo direito de dançar

Todo ano é a mesma coisa: no dia 29 de abril, lá vamos nós celebrar a arte que nos move. Também faço parte dessa turma, e assim publiquei em 2010, 2011, 2012 e 2013.

Mas hoje não celebrarei nada. Não farei ode à dança. Não falarei de todos os seus aspectos na minha vida. Não vou dizer que ela é importante para todos nós. Nada disso.

Porque todo ano vejo sempre as mesmas coisas: uma celebração dos bailarinos, amadores, estudantes, professores, maestros, ensaiadores, coreógrafos. Hoje não é o dia de quem dança.

Para celebrar a dança é necessário reconhecer que ela é tão antiga quanto a humanidade. Ela nasce conosco, porque antes mesmo de andar e falar, nós nos movemos. O nosso corpo fala antes que possamos esboçar as palavras. Dançamos sem saber que é isso o que estamos fazendo.


Mas crescemos. E, em algum momento, tentam nos tirar esse direito. Porque existem as danças, os métodos, as formas, as técnicas, os dogmas, os preconceitos, os detentores do saber. Cada qual reivindicando para si o domínio sobre essa arte.

Não adianta fazer isso, meus caros. A arte é do ser humano. Ela é de todos nós. Ela é de cada um de nós.

É isso o que eu quero: que todos nós possamos dançar. Não apenas na sala de casa, no meio da rua, em pleno parque, mas escolher a dança que nos chama, nos dedicarmos a ela sem receio. E sem ninguém fazendo elucubrações, questionamentos ou, pior, cerceando quem quer seguir o caminho que lhe chama o coração.

Dançar é um direito.

Pelo menos no Dia Internacional da Dança, não nos esqueçamos disso.

domingo, 27 de abril de 2014

Festival O Boticário na Dança

O melhor da dança contemporânea, com espetáculos aclamados no mundo todo, chega a quatro cidades do Brasil entre os dias 29 de abril e 8 de maio. São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Recife serão os palcos deste ano para o Festival O Boticário na Dança – uma das iniciativas do programa de patrocínios idealizado para valorizar essa arte no nosso país. Além de apresentar toda a beleza de suas coreografias, artistas nacionais e internacionais vêm oferecer a outros bailarinos a oportunidade de trocar experiências em workshops gratuitos.

Balé Teatro Guaíra
Reconhecer o talento de quem já vive a dança e incentivar a formação de plateias cada vez maiores são os objetivos do Festival, que chega reforçado em 2014. Companhias nacionais e internacionais de renome confirmaram presença na segunda edição do evento promovido por O Boticário.

Os ingressos para o público terão preços acessíveis: entre R$ 10 e R$ 60. Os workshops gratuitos estarão abertos para dançarinos brasileiros interessados em aprender e praticar com diretores e bailarinos dos grupos convidados. Confira a lista de espetáculos e aguarde a divulgação da data do festival na sua cidade!

Cisne Negro Cia de Dança
As companhias internacionais presentes no festival são: Akram Khan Company (Inglaterra), Batsheva Ensemble (Israel), Louise Lecavalier (Canadá) e Tao Dance Theater (China). Entre as nacionais figuram: Balé Teatro Guaíra (Curitiba-PR), Cisne Negro Cia de Dança (São Paulo-SP), Focus Cia de Dança (Rio de Janeiro-RJ) e Primeiro Ato (Belo Horizonte-MG). Para conferir mais novidades do festival Clique Aqui.

Fonte: Site do Festival O Boticário

sábado, 26 de abril de 2014

A dança e seus efeitos no desenvolvimento das inteligências múltiplas da criança

"A dança é um exercício de emoção onde a criança expressa, através dos movimentos e sob a influência do ritmo, o que sente e como sente. A dança permite que se organizem duplas, que se formem grupos. Os círculos formados e as mãos dadas são as primeiras experiências coletivas de exploração dos espaços internos e externos. Os limites da roda atuam como fronteira das noções de dentro e fora (...). Com o corpo em movimento, no ritmo da musica, a criança se situa, avança, volta, se aproxima, se afasta e aprende as relações que precisa estabelecer para o desenvolvimento do seu pensamento. São nestas cenas de emoção e imaginação que acontecem as situações de desenvolvimento."


{Trecho do artigo "A dança e seus efeitos no desenvolvimento das inteligências múltiplas da criança" - Autoria: Maria de Lourdes Mallmann & Sidirley Barreto}

quinta-feira, 24 de abril de 2014

"Passarinho me contou..." na Semana do Livro Infantil

A apresentação de "Passarinho me contou..." com a Trupe de contadores do Teatro Ogan, abriu oficialmente a Semana Nacional do Livro Infantil na noite de hoje (21.04), na Praça da Cultura.


A Semana Nacional do Livro Infantil é uma promoção da Biblioteca Pública Municipal Evany Nery Varaschin e Departamento de Cultura da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, e conta com o total apoio do Governo Municipal.

Estão programadas inúmeras "Sessões de Contação de Histórias" na Biblioteca Pública e na Praça da Cultura durante o período de 22 a 25 de abril (terça a sexta), e contará com a participação de alunos e professores das escolas municipais, estaduais e particulares de nosso município.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

04 anos de Flor de Menina!

Tudo começou no dia 16 de abril de 2010 com apenas dez bailarinas e um sonho.... Foi assim que nasceu o Grupo Flor de Menina (Sim, grupo! Pois somente no ano seguinte viramos Cia de Arte). Aos poucos fomos conquistando nosso espaço e o nosso lugar, saímos do anonimato e conquistamos o respeito e admiração da classe artística de Campo Novo do Parecis e Mato Grosso, há muito o que melhorar e estamos nos esforçando ao máximo para isso.

Noite de Natal em 2010
E sabem de uma coisa? Uma das grandes bençãos das nossas vidas é, sem dúvida, a experiência que esses quatro anos vividos juntos nos concederam. Aniversariar é uma amostra das oportunidades que temos de aprender a contar os nossos dias. Hoje, mais uma janela se abre diante dos nossos olhos, mais um espinho foi retirado da flor, restando somente a beleza de tão bela data. Os sintomas da felicidade se traduzem no otimismo, na fé, na esperança e no empenho para sermos melhores a cada dia.

Olhando para trás podemos nos orgulhar com nossos feitos e nossas conquistas visando buscar mais, sempre mais... Foram quatro anos somando e superando etapas que marcaram para sempre em nossas vidas!

Quinto Céu em 20011
Podemos nos orgulhar em ser a primeira Cia do município a participar por dois anos consecutivos da seletiva para o maior Festival de Danças do mundo, e por três anos seguidos ganharmos o prêmio de Melhor Bailarina (2011, 2012 e 2013), por dois anos seguidos levando os prêmios de Melhor Coreografia e o 1° Lugar em danças clássicas num dos maiores festivais de dança do Mato Grasso (Festival Parecis de Danças), e de ser a primeira Cia de Campo Novo do Parecis a montar fragmentos de Ballet de Repertório!

Esses são e ainda está por vir muito mais dos nossos trabalhos, pensados e dedicados a cada um de vocês que nos acompanham nessa nossa trajetória de esforço e dedicação! Num apanhado geral podemos pontuar que:

Sétimo Céu em 2012
  • Desde sua criação até hoje passaram pela Cia quase 100 bailarinas.
  • O corpo de baile é composto por 16 integrantes.
  • É a Cia mais nova (em idade e tempo) de Campo Novo do Parecis e a única voltada única e exclusivamente ao balé clássico.
  • Por dois anos consecutivos participou da Seletiva do Maior Festival de Danças do Mundo (2013 e 2014)
  • Por três anos seguidos ganhamos o prêmio de Melhor Bailarina (2011, 2012 e 2013)
  • Por dois anos seguidos levamos o prêmio de Melhor Coreografia num dos maiores festivais de dança do Mato Grasso (Festival Parecis de Danças)
  • Por dois anos seguidos levamos o prêmio de 1° Lugar em Danças Clássicas num dos maiores festivais de dança do Mato Grasso (Festival Parecis de Danças)
Valsa do Floco de Neve em 2013
Continuemos firmes pelos caminhos da virilidade e suas verdades. Continuemos trilhando pelos vales da vida, pois um dia encontraremos o mais belo jardim, o jardim que representará a realização dos nossos maiores sonhos.

Do jeito que você é em 2014

terça-feira, 15 de abril de 2014

Desenhos que dançam

Inspirada pelo tema da dança e trabalhando com seu material de preferência – o bom e velho lápis –, Karolina Szymkiewicz cria desenhos em que tenta superar o desafio que se impõe: capturar o movimento expressivo da dança.


Clique neste link para visualizar alguns trabalhos dessa série de desenhos, que de algum modo evocam referências do expressionismo e, por que não, das mulheres “cheias de carne” de Robert Crumb.

Por: Zupi

Escola Bolshoi em Minas Gerais?

Isso mesmo! A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil realiza no dia 16 de abril, no Teatro Atiaia, em Governador Valadares, um workshop e pré-indicação na cidade mineira. O professor da, Denys Nevidomyy, será o representante da instituição que ministrará workshop de Dança Clássica. As aulas de dança clássica são para iniciantes de 9 a 12 anos, intermediários de 13 a 15 anos e intermediário/avançado a partir de 15 anos. Todos os participantes precisam ter conhecimento em dança.


A proposta da Escola do Teatro Bolshoi no país é oferecer aos participantes a vivência técnica da dança clássica da única filial do Bolshoi russo. Também na cidade acontecerá a pré-indicação, nos dias 16 e 17 de abril. As inscrições podem ser feitas até 14 de abril no site na área de inscrições e editais. O candidato deverá ler o Edital disponível antes de preencher o formulário de inscrição.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

O profissionalismo nas escolas de dança

… e os pro­ble­mas cau­sa­dos pela falta dele!

Escolas sérias garan­tem um ambi­ente sau­dá­vel para bai­la­ri­nos de todas as ida­des – saiba como escolher!

Não importa se seu sonho é ser uma Primma Ballerina ou o bal­é é ape­nas uma diver­são pra rela­xar da rotina can­sa­tiva – uma escola que tra­ba­lha com pro­fis­si­o­na­lismo irá te aju­dar seja qual for seu objetivo.

Acredito que todos conhe­ce­mos (e até já pas­sa­mos) por situ­a­ções com­pli­ca­das em esco­las de dança. De pro­fes­so­res que fofo­cam dos alu­nos para outras tur­mas e até humi­lham seus alu­nos com adje­ti­vos mais que antié­ti­cos, o leque de situ­a­ções com­pli­ca­das que pas­sa­mos é imenso. E cabe a você, estu­dante, esco­lher aonde irá inves­tir seu dinheiro, (e muito mais impor­tante) seu cari­nho e seu tempo!

Vamos ao básico para esco­lher uma escola cor­reta, no início:

– Pesquise a escola e seu his­tó­rico – se tem site, ótimo. Mas tam­bém não con­fie, jogue em algum site de pes­quisa e veja o que aparece.

– Ao fazer o pri­meiro con­tato, veri­fi­que a QUALIDADE das infor­ma­ções. Pergunte tudo: méto­dos, espe­tá­cu­los, uni­for­mes e o que mais você qui­ser – a res­posta deve ser clara e pare­cer honesta. As esco­las “meia-boca” ten­dem a aumen­tar MUITO seus lou­ros na ten­ta­tiva de escon­der algo que não está muito certo.

– Faça uma visita – conheça tudo e preste aten­ção em deta­lhes. Se você está pro­cu­rando aulas de bal­é clás­sico note o piso das salas de aulas, por exem­plo. Caso você esteja pro­cu­rando uma escola para seu pequeno bai­la­rino, ASSISTA UMA AULA no horá­rio que pre­tende matri­cu­lar a cri­ança, para conhe­cer e con­ver­sar com o pro­fes­sor. Aliás, cui­dado, nem sem­pre grande bai­la­ri­nos são grande pro­fes­so­res. Formação é impor­tante, mais fama nem sempre.


Se você já está fazendo aula na escola, con­ti­nue pres­tando atenção:

– Se o pro­fes­sor faz fofoca dos alu­nos de outra turma na sua classe, já des­con­fie. PROFESSOR BOM NÃO FAZ FOFOCA – PRINCIPALMENTE para falar mal dos alu­nos. E, pro­va­vel­mente, está falando absur­dos da sua turma em outras aulas também.

– Cuidado com pro­te­ci­o­nis­mos. Adoramos o fato de que em algu­mas esco­las haja mem­bros da famí­lia ou ami­gos pró­xi­mos da dire­ção, mas se eles são o único foco da escola, saia. Ela não é para você.

– Sejamos hones­tos, é claro que alu­nos fan­tás­ti­cos devem rece­ber des­ta­que. É impor­tante para a escola que isso acon­teça e para o desen­vol­vi­mento de gran­des estre­las, mais ainda. Mas, muito mais impor­tante que isso é que a escola deve RECONHECER O ESFORÇO de todos – dos bai­la­ri­nos fan­tás­ti­cos e daque­les que tem mais difi­cul­dade tam­bém.

ESCOLA QUE ESCONDE NO FUNDO DO PALCO OS QUE TÊM MENOS FACILIDADE PRECISA SENTIR NO BOLSO A FALTA DE ALUNOS.

– Estava tudo bem e de repente o pro­fes­sor come­çou a sen­tir “ciú­mes” de você? Parece ridí­culo, mas acon­tece. Ao invés de esti­mu­lar o cres­ci­mento com­pleto dos alu­nos, alguns pro­fes­so­res ten­dem a não que­rer que o aluno se torne uma ame­aça – como se fosse tomar seu lugar de pro­fes­sor. Nem pre­ci­sa­mos con­ver­sar mais sobre isso, CAIA FORA!

Por ultimo, vamos dei­xar claro que (SIM!) exis­tem esco­las mara­vi­lho­sas de dança e temos muito orgu­lho disso, mais da mesma forma exis­tem essas esco­las “mais ou menos”. Não se aco­mode: se não está ple­na­mente feliz, pro­cure outra escola.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

O Lago dos Cisnes: Um belíssimo Prólogo!

Odette, uma princesa, passeia pelo bosque despreocupada, conhece o feiticeiro Rothbart, e este lança uma maldição sobre ela: durante o dia ela será um cisne, e somente ao anoitecer, ela recuperará sua aparência humana. E o único meio dela se libertar desse feitiço, é através do amor puro e verdadeiro de um homem que lhe seja fiel.
video

American Ballet Theatre, ano 2005
Gillian Murphy como Odette/Odile
Angel Corella como Príncipe Siegfried

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Os quinze perfis mais comuns de professores de Ballet Clássico


Aquele professor que você considera da família ou seu melhor amigo. Aquele que se percebe que você está triste e te abraça e tenta te confortar. Você se sente tão íntimo dele, que sente até mais liberdade e vontade de fazer aula.

Aquele professor que grita quando você erra ou te arremessa algum objeto quando você se atrapalha na sequência. Outras pessoas que não são fazem ballet o julgariam como louco, mas você inexplicavelmente o ama.

Aquele professor que só olha para os melhores da turma ou puxa o saco dos que tem mais técnica. Você faz tudo para que ele te corrija, ou vai com um collant rosa pink para ser notada, mas para ele é como se você nem estivesse na sala de aula.

Aquele professor que elogia tudo. Você sabe que está "en dedan", afinal o espelho está na sua frente, mas ele diz que está perfeito. Você nunca sabe se ele está debochando ou se a concepção dele sobre o ballet é distorcida. Ou seja, só tem alunos tortos e com o ego elevado.

Aquele professor que acha que você consegue fazer tudo. Ele diz que o developpé precisa ser a 178°, e se você não faz dessa forma ele acha que você não prestou atenção, ou está com preguiça quando na verdade não consegue nem elevar a perna a 20°. Geralmente acontece quando a pessoa evolui rápido ou por o professor achar que no ballet não há dificuldades.

Aquele professor que não sabe nada sobre ballet clássico pois dava aula de forró. Não sabe passar exercícios no tempo da música, mistura ballet com jazz e axé, e mostra os passos pior que a sua avó de 90 anos mostraria. Quando você pergunta como é o nome de um passo, ele diz que esqueceu ou inventa um fundamento totalmente errado.

Aquele professor que parece estar ligado na tomada. Todos os exercícios são rápidos demais, as sequências surreais, até ele próprio se confunde quando precisa repetir. Você sempre sai com a sensação de ter dado um nó nas pernas, ou se sentindo o pior bailarino do mundo por não ter conseguido feito nada.

Aquele professor que sabe fazer as correções perfeitamente. Um passo que você nunca conseguiu fazer ele te ensina a fazer de uma maneira que você consiga, na aula dele suas piruetas milagrosamente saem maravilhosas, você nota a sua evolução nitidamente. Você se torna eternamente grato a ele por te fazer um bailarino melhor, e nunca entende como ele pode ser tão maravilhoso.

Aquele professor que é melhor que a escola inteira. Ele mostra os passos e você baba, é um carretel de tanta linha. Você se sente motivado a fazer um exercício depois da forma que ele mostrou o passo, e sempre torce para que ele repita e encha seus olhos com tanta beleza.

10° Aquele professor que além de ensinar a técnica, ensina a história do ballet, filosofia e sobre a vida. Você sempre vai para a casa refletindo sobre o que ele disse, às vezes servindo até de psicólogo. Faz-te ter uma concepção diferente das coisas e do ballet.

11° Aquele professor que não se importa se seu pé está sangrando, ou sua coluna doendo. Ele ensaia quantas vezes for preciso, às vezes você até acha que está em um quartel, pois tamanha rigidez e frieza. Faz-te evoluir, mas acaba com o seu corpo.

12° Aquele professor que para ele nada está bom. Você acha que está fazendo o adágio lindo, coloca a perna na cabeça, pensa em todos os movimentos, faz piruetas lindas e quando termina ele te olha e fala que não foi bom e pede para repetir. Por mais que ele tenha razão, você sempre acha que ele não te elogia ou critica sempre, por implicância. Mas te fazer ser mais crítico consigo mesmo ao longo do tempo.

13° Aquele professor que se transforma no ensaio. Basicamente ele é Odette nas aulas e o Odile no ensaio. Você até treme quando ele pronuncia a palavra "ensaio", pois sabe que serão momentos tensos, e fica tão nervoso de errar e ter que fazer tudo novamente ou de ouvir um berro, que acaba errando.

14° Aquele professor frustrado que não quer ver o crescimento do aluno. Normalmente se tornou professor por uma lesão ou por não ter sido bom na época que dançava. Sempre fala de si, nunca te impulsiona, parece que gosta de te ver errado, fala que não irá conseguir bolsas ou nunca irá ganhar algum festival. Você não sabe se você é lixo ou se o problema é com ele.

15° Aquele professor que te leva para todos os festivais, corre atrás de grandes oportunidades pra você, sempre te incentiva. Você mesmo não acredita em si, mas ele diz que você é capaz. Se você não corresponde as suas expectativas ele não se decepciona e sempre te levanta. É como um anjo da guarda, nunca desiste de você.
Desconheço a autoria

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Campo Novo faz sua estreia no Fringe 2014

Os grupos de teatro de Campo Novo do Parecis – Teatro Ogan e a Cia Revelação de Teatro fizeram sua tão ansiosa estreia nos palcos da Mostra Teatral do maior evento do gênero da América Latina – o Festival de Teatro de Curitiba (FRINGE 2014) que este ano está na sua 23º edição.

A Cia Revelação de Teatro estreou no dia 01/04 na Sala Londrina do Memorial de Curitiba no Largo da Ordem com o espetáculo "O Beijo da Lua e da Vitória Régia" sob direção de Fran Almeida emocionando o público curitibano nos três dias de apresentação da Cia com a história da índia Naiá que se apaixona por Jaci. No céu, um imenso buraco negro a deixa intrigada, e eis que parte em busca de resposta, com lágrimas nos olhos causada pelo medo do impossível.

Foto: Silvia Schneiders
No dia 04/04 a Trupe do Teatro Ogan fez duas estreias de espetáculos: “Guilherme Augusto Araújo Fernandes” e “A Cela”.

No período matutino, às 10h, o Teatro Ogan esteve em palco na Villa Hauer Cultural com o espetáculo “Guilherme Augusto Araújo Fernandes” peça que viaja no imaginário infantil, tratando o encontro de gerações de maneira lúdica, onde um menino de seis anos questiona “O que é uma memória?” sob direção de Van César e produção de Silvia Schneiders. As próximas apresentações de “Guilherme...” estão previstas para os dias 05 de abril (15h) e 06 de abril (19h) no palco na Villa Hauer Cultural se despedindo do Fringe 2014.

Foto: Silvia Schneiders
E no período vespertino, às 15h, foi a vez do monólogo “A Cela” subir nos palcos do Auditório Poty Lazzarotto no Museu Oscar Niemeyer. O espetáculo trouxe aos palcos a representação das opressões humanas, conforme dilaceram o corpo e a consciência de quem as alimentam. As próximas apresentações do espetáculo ocorrerão no dia 05 de abril (22h) e no dia 06 de abril (14h) terá a última apresentação encerrando de vez a participação da Trupe do Teatro Ogan no Festival de Curitiba – FRINGE 2014 todos no Auditório Poty Lazzarotto no Museu Oscar Niemeyer.

Foto: Jonas Ferreira